Os nossos sentidos completam-se e estão de certa forma perfeitamente entrosados de tal modo que quando um falta ou fica menos actuante, logo outro se potencia a fim